Contador de Visitas
Quinta-feira, 5 de Março de 2015
Lendas da nossa terra

 

pombal5b25d.jpg

 

Lenda dos Távoras

A tradição diz que os irmãos D. Tedo e D. Rausendo, os

protagonistas desta lenda, que se terá passado em 1037, eram descendentes

de Ramiro II de Leão. Os corajosos irmãos já há

muito tempo tentavam tomar o castelo de Paredes da Beira que estava na posse

do emir mouro de Lamego, sem qualquer sucesso. Mas um dia, esgotados todos os

outros recursos, D. Tedo e D. Rausendo decidiram usar a astúcia para

conseguirem apoderar-se da fortaleza. Numa manhã do dia de S. João

em que os mouros saíam habitualmente do castelo para se banharem nas

águas do Távora, os dois irmãos e o seu exército

disfarçados de mouros prepararam uma emboscada e entraram no castelo,

matando a maior parte mouros que lá tinham ficado. Avisados por alguns

mouros que tinham conseguido fugir do assalto, os mouros que festejavam no rio

prepararam-se para voltar ao castelo quando foram atacados no rio por D. Tedo

e os seus guerreiros que os dizimaram a todos. O vale do rio onde se travou

a sangrenta luta ficou a ser chamado por Vale D'Amil em lembrança dos

mouros que tinham sido mortos aos mil. A lenda diz que os dois irmãos

tomaram a partir da batalha o apelido de Távora, em memória do

rio onde se tinha desenrolado a vitória, e adoptaram nas suas armas um

golfinho sobre as ondas simbolizando D. Tedo que com o seu cavalo tinha vencido

os Mouros nas águas do rio.

publicado por Alegria às 21:05
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 3 de Março de 2015
Lendas da nossa terra

 

Viseu city Portugal Roc2c calçada à portugue

Mangualde

 

O poço de ouro e o crime

 

  Na serra da Nossa Senhora do Castelo, praticamente em todos os
seus montes e vales, há mouras que garantem um grosso livro de
lendas!
Não há em Mangualde quem não fale dos louros cabelos de mouras,
cuja principal actividade é passarem o pente pela cabeça e cuja qualidade
mais evidente é estarem encantadas desde esses recuados tempos até hoje.
Em Modorno e Modorninho, até houve quem, em alguma vez, viu essas
belas mulheres pondo ao sol as suas riquezas.
As gentes cantam:
    
 Entre Madorno e Madorninho
Há cem cargas de louro fino,
Só as podem encontar,
Pé de ovelha, ponta de relha
Que Maria enguedelha.
 
Pois entre a aldeia de Corvaceira e a de Chãs de Tavares toda a gente diz
que o poço que lá está tem ouro. Naturalmente, pelo tom amarelo-escuro
das suas águas. Por isso mesmo, não havia quem se atrevesse a tocar naquelas
águas.
Porém um dia, um esperto começou a despejá-lo. Foi quanto bastou para que
ele recebesse uma pancada enorme no corpo e desatasse a dizer a quem
o queria escutar que uma sereia o tinha atacado. E a atestá-lo mostrava uma
curiosa sinalética insculpida numa pedra junto do poço!
Também nas csrcanias de Santiago de Cassurrães há uma capelinha chamada
de Senhora de Cervães. Conta Frei Agostinho de Santa Maria que muitos veados
atacaram um homem naquele sítio e ele, quase a desfalecer engtre tanta cornada,
pediu ajuda a Nossa Senhora. Logo os veados desapareceram, e o homem conseguiu
arranjar quem o ajudasse a pagar a construção que comemora o milagre!
Conta-se que ao padre da aldeia da Varzea de Tavares aconteceu uma coisa tão bizarra
que se foi embora e, crescendo a lenda, nunca mais nenhum padre o quiz substituir!
Bem, a questão é que ele tinha a sua residência junto da igreja e esta ficava um
pouco apartada do povoado. E uma dada nopite apresentaram-se-lhe dois irmãos
armados de espadas e uma jovem irmã de ambos muito chorosa. Segundo eles diziam,
ela havia sido violada e pretendiam lavar a honra matando-a e enterrando-a  no
chão da igreja, conforme o costume da época. Importava que ele previamente a
confessasse. O padre quis recusar-se, mas os irmãos apontaram-lhe uma espada
à garganta e ele rendeu-se. A rapariga foi confessada, morta e enterrada.
Porém, todas as noites na igreja e seus arredores ficou a tormenta no ar.
Nada de ventos, chuvas e relâmpagos, nada disso. Durante anos, escutavam-se por alí
gritos de dor, gemidos alucinantes. Apavorado, como se disse, foi-se o pároco
dali para todo o sempre.
publicado por Alegria às 21:17
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.posts recentes

. Album de Sabedoria

. Album de Sabedoria

. Provéfbios e adivinhas

. Provéfbios e adivinhas

. Proverbios e Adivinhas

. Provérbios e Adivinhas

. Album de Sabedoria

. Album da Sabedoria

. Album da sabedoria

. Album de Sabedoria

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

.favoritos

. Momento de Poesia

.links
contador de visitas gratis
Contador de Visitas
blogs SAPO
.subscrever feeds